Notícias

22/01/2021 - Tecnologia

Agro 4.0: tendências tecnológicas impulsionam setor


O agronegócio representa em torno de 25% do Produto Interno Bruto (PIB) e 50% das exportações do Brasil. O desenvolvimento agrário impacta diretamente na riqueza da nação o que leva empresários do setor e investidores a traçarem tendências tecnológicas capazes de impulsionar ganhos.

A Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) realizou um estudo de megatendências para o agronegócio para os próximos dez anos. Denominado "Visão 2030: o futuro da agricultura brasileira", o levantamento elenca pontos como mudanças climáticas, espaciais e socioeconômicas, a necessidade de agregar valor às cadeias produtivas para agradar ao consumidor cada vez mais exigente e a gestão para a redução dos riscos que geram perda anual de R$ 11 bilhões – o que equivale a 1% do PIB da agricultura nacional.

A pesquisa ressalta a importância do conhecimento e da prática de estratégias tecnológicas no setor. A necessidade foi confirmada por outra investigação da Embrapa, desta vez em parceria com o Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae), que entrevistou 753 produtores sobre tecnologia e agronegócio.

Cerca de 84% dos produtores responderam que já utilizam ao menos uma tecnologia no processo de produção; 70% usam internet e tecnologia em atividades relacionadas à produção rural e 57,5% recorrem às mídias sociais para divulgar dados ou produtos. O uso da tecnologia é o ponto de partida para alcançar a meta de digitalizar o agronegócio até 2030.

Futuro tecnológico do agronegócio
A pesquisa da Embrapa e do Sebrae projeta que a fazenda do futuro será norteada pela otimização do uso de recursos e insumos, por meio de sistemas ciber-físicos, transversais e interdisciplinares. A inovação vai demandar monitoramento e automatização, com instalação de sensores ligados à internet, que vão gerar grande volume de dados. Eles serão filtrados e armazenados em nuvem para serem analisados por inteligência artificial.

O Agro 4.0 dependerá de tecnologia em todas as etapas. Durante a pré-produção, espera-se aplicar inovações no melhoramento genético, na biotecnologia e na bioinformática. Na produção, serão alvo de atualização a agricultura de precisão e equipamentos diversos. Já na pós-produção, a tecnologia tende a gerar melhorias na logística, no transporte e no armazenamento.

Em todas as etapas, aplicativos para diversas finalidades como previsão do tempo, identificação de pragas, gerenciamento da produção, contratação de serviços privados de satélites e drones, instalação de sensores terrestres, GPS, sistemas de informações geográficas (SIG) serão importantes para o planejamento.

A telemetria também é outra peça relevante nesse contexto, afinal permite a medição remota e a comunicação de informações entre sistemas, por meio de dispositivos sem fio - como ondas de rádio ou sinais de satélite. Os equipamentos podem ser acessados à distância por meio de tecnologias de comunicação, o que facilita o monitoramento de geradores, por exemplo, que dão suporte ao abastecimento no meio rural.

A tendência é de aumento de demanda por especialistas nessas áreas e da necessidade de acesso às tecnologias desenvolvidas que podem ser aplicadas no campo. Governo, cooperativas, associações, sindicatos, startups e universidades devem auxiliar neste processo.

Desafios para digitalizar
As entrevistas feitas pela Embrapa e pelo Sebrae apontaram ao menos três desafios para as propriedades rurais conseguirem instalar e se beneficiar de melhorias tecnológicas.

O primeiro é o valor dos serviços. Até o momento, o custo de equipamentos e de dispositivos ainda é elevado. Se mais empresas competirem por esse mercado, os preços tendem a se tornar mais acessíveis aos clientes. Além disso, instituições financeiras podem disponibilizar linhas de crédito ou financiamento para esse objetivo, cientes da necessidade do setor.

Outro desafio é estabelecer conexão de internet nas áreas rurais. Parece óbvio, mas ainda é uma queixa comum entre produtores e prestadores de serviço. A falta da conexão torna-se um entrave na implantação de outras etapas da digitalização.

O terceiro ponto é divulgar informação e conhecimentos aos produtores sobre opções de tecnologia que podem trazer vantagens ao agronegócio. Ao entender os impactos que podem trazer à produtividade, o empresário pensa na digitalização não como custo, mas como investimento.

Fonte: ABC do ABC - http://tempuri.org/tempuri.html





Mantenha-se atualizado com o Agro KLFF

Cadastre-se e recebe diariamente as novidades do mercado

2016 Portal KLFF. Todos os direitos reservados.

Termos de uso. Política de privacidade.