Notícias

04/06/2021 - Milho

Cada sinal de chuva amortece alta do milho em Chicago


Apesar de começar o dia mais firme, os futuros do milho voltaram a cair à medida que a quinta-feira se aproximava do fechamento, com uma pressão particular vindo para os contratos imediatos e as perdas arrastando a soja e o trigo para baixo. As informações foram divulgadas pela TF Agroeconômica. 

“No fechamento, julho havia perdido pouco mais de $ 0,13/bu para chegar a $ 6,62/bu, com setembro caindo um pouco mais de $ 0,10/bu para $ 5,83/bu. O movimento ocorreu em um momento em que o dólar norte-americano ganhou terreno em relação a outras moedas, tornando os EUA uma opção de exportação menos atraente, e em meio a novas previsões de clima úmido mais favorável na região Meio-Oeste dos EUA”, comenta a consultoria. 

As perspectivas para o preço do milho dependem cada vez mais dos temores de que as condições de seca ainda possam minar as previsões de uma enorme safra de milho dos EUA, que é absolutamente dependente de atingir rendimentos recordes para desbloquear todo o seu potencial. “A divulgação de dados primários do dia foi o atraso dos dados de etanol dos EUA, que mostraram uma produção atingindo 1,03 milhão de barris por dia - o maior número de produção em mais de 60 semanas e equivalente a mais de 2,6 milhões de toneladas de milho consumidas ao longo da semana”, completa. 

“Mas isso ocorreu às custas de um aumento nos estoques, que saltaram para mais de 600.000 barris e contrariaram as expectativas dos analistas, que buscavam uma queda ainda maior. No entanto, as margens de produção permanecem robustas e os estoques permanecem em uma baixa de vários meses, à medida que o setor entra em uma temporada de alta”, conclui. 

Por Leonardo Gottems
Fonte: Agrolink - http://tempuri.org/tempuri.html




Mantenha-se atualizado com o Agro KLFF

Cadastre-se e recebe diariamente as novidades do mercado

2016 Portal KLFF. Todos os direitos reservados.

Termos de uso. Política de privacidade.