Notícias

01/12/2020 - Mercado

China afirma que suas importações de grãos não são culpadas pela alta dos preços globais


Um funcionário do governo chinês rejeitou a ideia de que as maciças importações de milho e trigo do país são as culpadas pelo salto nos preços internacionais, dizendo que a pandemia do coronavírus e a incerteza no comércio global de alimentos causaram “pânico” no setor.

Os preços dos grãos subiram por causa das restrições à exportação por parte dos principais fornecedores e do estoque de reservas de alimentos por alguns países, informou o Economic Daily , citando a opinião de Huang Hanquan, um funcionário da Comissão Nacional de Desenvolvimento e Reforma.

Huang disse que é “irresponsável e completamente contrário aos fatos” atribuir a disparada dos preços globais dos alimentos às importações chinesas. As importações de grãos do país representam apenas um décimo do comércio global, sendo a maioria soja, e têm um impacto limitado nos preços internacionais dos alimentos, segundo o relatório.

Os preços das safras caíram à medida que as compras da China ganharam ritmo nos últimos meses em meio a suprimentos mundiais de grãos e oleaginosas mais apertados do que o esperado e a necessidade de alimentar um grande número de suínos enquanto seu rebanho se recupera da peste suína africana. A segunda maior economia ultrapassou pela primeira vez uma cota anual de importação de milho definida pela Organização Mundial do Comércio, quando as compras em outubro atingiram o máximo de 2016.

China deve importar mais milho dos EUA e reduzir os preços globais
O motivo do aumento das importações é o rápido aumento da demanda doméstica, já que a recuperação da criação de suínos impulsionou o consumo de milho e soja, e o país embarcou em uma expansão agressiva da capacidade de refino de milho, disse Huang, chefe do departamento de informações de monitoramento de preços do NDRC Centro.

Depois de anos reduzindo os estoques e a área plantada de milho do estado desde 2016, o déficit de oferta de milho da China aumentou e as importações são necessárias para preencher a lacuna. O fornecimento estrangeiro se tornou uma opção atraente, já que o custo de aquisição na China é cerca de 500 yuans (US $ 76) a tonelada mais barato que a produção doméstica, de acordo com Huang.

As taxas de autossuficiência dos grãos da China permaneceram acima de 95%, mas o país pode precisar importar de várias fontes para garantir a segurança alimentar nacional, disse Huang. Ele também alertou sobre a especulação no mercado internacional de futuros, acrescentando que isso levou a uma alta coordenada dos preços spot.

Por Bloomberg
Fonte: Notícias Agrícolas - http://tempuri.org/tempuri.html




Mantenha-se atualizado com o Agro KLFF

Cadastre-se e recebe diariamente as novidades do mercado

2016 Portal KLFF. Todos os direitos reservados.

Termos de uso. Política de privacidade.