Notícias

25/11/2020 - Soja

Confira 22 dicas da Embrapa para controle de pragas e plantas daninhas na soja


O plantio da soja ainda não terminou no país devido a falta de chuvas em muitos estados. Essa condição climática tem sido um entrave não só para o término dos trabalhos, mas também a proliferação de pragas e plantas daninhas na soja.

Para tentar ajudar o produtor a Embrapa preparou um manual completo, a pedido do Soja Brasil, para garantir resultados melhores nas lavouras de soja. Baixe o manual completo aqui!

Nesta reportagem separamos 22 dicas da Embrapa para controle de pragas e plantas daninhas:

Pragas
1 – Antes de semear a soja, verifique o histórico de pragas iniciais da área, além disso, vistorie a vegetação de cobertura para verificar a presença de pragas, e faça pequenas trincheiras (de no mínimo 0,5 m de comprimento por 0,4 m de largura e 0,5 de profundidade) para avaliar a existência de corós, tamanduás da soja, ou percevejos-castanho na área (principalmente em área com histórico dessas pragas). Caso essas pragas estejam presentes em grande quantidade, algum tratamento fitossanitário pode ser recomendado antes do plantio.

2 – Antes de plantar a soja, caso haja pragas na vegetação de cobertura (principalmente lagartas ou percevejos com potencial de atacar a soja recém-germinada), o ideal é antecipar a dessecação de pré-plantio. Uma ou duas semanas sem vegetação verde mata essas pragas de fome, não havendo, portanto, necessidade de aplicar inseticida na dessecação de plantio não causando assim maiores desequilíbrios na lavoura.

3 – Nunca use inseticidas para controlar percevejos no período vegetativo da soja. Sua presença nessa fase da cultura não causa danos.

4 – Não controle pragas preventivamente. Apenas inicie o controle de percevejos quando tiver vagens na lavoura e os percevejos estiverem em populações que ultrapassem os níveis de ação (2 percevejos maiores que 0,4 cm por metro para lavouras produtoras de grãos ou, 1 percevejo por metro para lavouras produtoras de sementes). Para desfolhadores (lagartas), utilize inseticidas apenas quando houver 30% ou mais de desfolha na fase vegetativa ou 15% ou mais de desfolha na fase reprodutiva da lavoura.

5 – Uso indiscriminado de agrotóxicos pode afetar a ação dos inimigos naturais das pragas da soja e outros insetos benéficos. Inimigos naturais são organismos que controlam as pragas, alimentando-se delas. Utilizar os inseticidas no contexto do manejo integrado de pragas (MIP). Utilizar o MIP-soja pode reduzir o gasto com inseticidas em até 50%. MIP preconiza a integração de diferentes estratégias de controle.

6 – O controle biológico das pragas é inócuo ao homem, preservar os inimigos naturais das pragas e prejudica menos o ambiente. Quando possível, priorizá-lo.

Plantas daninhas
1 – As invasoras competem com a soja por água, luz e nutrientes, podendo, ainda, ser hospedeiras de pragas e doenças.

2 – A fase mais crítica da competição situa-se da emergência ao fechamento do dossel.

3 – Além de usar herbicidas, valer-se de tratos culturais (época semeadura, cultivares, espaçamento/densidade, cobertura do solo, entre outros).

4 – Evitar que sementes de invasoras estejam presentes nos fertilizantes ou nas sementes da soja. Embrapa

5 – O manejo das plantas daninhas na cultura da soja começa na entressafra, principalmente na dessecação em pré-semeadura.

6 – Dessecar a vegetação da área onde será estabelecida a futura lavoura com a devida antecipação ao plantio. Isso será benéfico não para as plantas daninhas, mas também para pragas subterrâneas (corós, percevejo castanho, entre outros).

7 – Semear a soja somente quando a vegetação estiver dessecada completamente.

8 – Cultivares de soja com crescimento inicial mais rápido são menos prejudicadas pelas invasoras.

9 – Utilização do Plantio Direto com formação de abundante palhada inibe o desenvolvimento das invasoras.

10 – Rotação de culturas favorece ou desfavorece diferentes espécies de invasoras. Informar-se sobre quais fazem o quê.

11 – Segundo a Embrapa, cultura de cobertura, cultivo de milheto, aveia ou azevém na entressafra da soja são eficientes na supressão das invasoras.

12 – Existem palhadas com efeito alelopático sobre algumas espécies de invasoras. Informe-se.

13 – Monitoramento das áreas é fundamental para um bom planejamento de controle de invasoras.

14 – O uso de um único herbicida, ou de herbicidas com o mesmo mecanismo de ação, resulta em seleção de plantas resistentes, o que dificulta o controle e o torna mais oneroso.

15 – Rotação e diversificação de herbicidas utilizados no controle químico são fundamentais no manejo da resistência.

16 – Umidade baixa (menos de 60%), temperatura alta (superior a 30°C), e vento prejudicam a ação dos herbicidas.

Por Daniel Popov
Fonte: Canal Rural - http://tempuri.org/tempuri.html




Mantenha-se atualizado com o Agro KLFF

Cadastre-se e recebe diariamente as novidades do mercado

2016 Portal KLFF. Todos os direitos reservados.

Termos de uso. Política de privacidade.