Notícias

13/09/2021 - Pecuária

Embrapa: árvore do baru é alternativa valiosa para integração lavoura-pecuária-floresta


O baruzeiro, árvore nativa do Cerrado, é uma das espécies de fruteiras nativas mais promissoras para plantio em sistemas de integração lavoura-pecuária-floresta (ILPF), de acordo com a Embrapa. Atualmente, o eucalipto é o gênero mais utilizado nesses sistemas em que lavouras de grãos, árvores e rebanhos são produzidos em um mesmo espaço. No entanto, o baruzeiro possui uma vantagem: além da madeira, a árvore produz uma valiosa semente.

O baru, cumaru ou cumbaru, como é conhecido, assemelha-se a uma castanha e a demanda por ele tem crescido nos últimos anos no Brasil e no exterior. A previsão de crescimento de sua comercialização é de 25% ao ano entre 2019 e 2029, segundo artigo publicado na revista de pesquisas sobre mercados Fact.MR.

Segundo a Embrapa, o Brasil é o principal país que produz essa espécie. Quase metade da produção das sementes é vendida para o exterior: 25% para a Europa e outros 22% para os Estados Unidos. Um dos motivos do aumento da comercialização desse produto, segundo a publicação, é a busca por alimentos saudáveis.

Os frutos vêm do extrativismo, o que pode ajudar no aumento de renda das comunidades tradicionais. No entanto, a demanda pode ser maior do que o país tem capacidade de fornecer. Por isso, é fundamental o desenvolvimento de sistemas de plantios comerciais da espécie. “Isso vai possibilitar o aumento da produção e da renda dos produtores rurais”, analisa o pesquisador da Embrapa Cerrados Fernando Rocha, líder do projeto que avalia espécies nativas — baru, mangaba e pequi — em sistemas ILPF.

Continue lendo AQUI

Fonte: Canal Rural




Mantenha-se atualizado com o Agro KLFF

Cadastre-se e recebe diariamente as novidades do mercado

2016 Portal KLFF. Todos os direitos reservados.

Termos de uso. Política de privacidade.