Notícias

13/08/2021 - Pecuária

Engorda no cocho crescerá em 2021, apesar dos custos


Os analistas consultados por DBO têm opiniões convergentes em relação ao comportamento da atividade de confinamento ao longo de 2021: no geral, somando os resultados do primeiro e do segundo giros da engorda intensiva, a quantidade de animais levados aos cochos vai crescer no Brasil em relação ao resultado do ano passado, mesmo diante de um cenário de forte encarecimento dos componentes da ração – sobretudo do milho – e da disparada nos preços do boi magro e demais categorias de reposição.

“Embora os custos de produção tenham subido muito durante o ano, os valores da arroba do boi gordo seguem em patamares bastante elevados, condição suficiente para garantir alguma margem de lucro aos confinadores”, resume o zootecnista Marcos Baruselli, gerente da DSM, multinacional de origem holandesa e detentora da marca Tortuga.

Baruselli estima que a atividade de engorda em cocho alcançará algo próximo a 6,5 milhões de cabeças este ano, o que significará aumento de 5% em relação ao número recorde de animais confinados em 2020, de 6,2 milhões de cabeças, de acordo com dados fechados do Censo DSM de Confinamento 2020.

A Scot Consultoria, de Bebedouro, SP, prevê uma taxa de crescimento de 8% no confinamento deste ano, alcançando 4,93 milhões de cabeças, ante o resultado de 4,57 milhões de bovinos de 2020.

A consultoria Agrifatto, com sede na capital paulista, projeta um aumento anual mais modesto da engorda intensiva – perto de 1% –, atingindo 6,1 milhões de cabeças em 2021, frente a um total de 6,05 milhões de bovinos registrado no ano passado.

Continue lendo AQUI

Por Denis Cardoso
Fonte: Portal DBO




Mantenha-se atualizado com o Agro KLFF

Cadastre-se e recebe diariamente as novidades do mercado

2016 Portal KLFF. Todos os direitos reservados.

Termos de uso. Política de privacidade.